Como fiz as pazes com a balança | Sobre dietas e autoestima

Quando nos sentimos fora do peso, parece que o mundo anda de trás pra frente. Nada da certo, o espelho é nosso inimigo numero 1. Além disso,  nossa autoestima vai no chão e qualquer coisa, é motivo para nos deixar ainda mais triste.

Acho que essa é a realidade de uma boa parcela de mulheres e homens que se sente fora de forma. Ou melhor fora dos padrões de beleza que nos são bombardeado diariamente.

Dietas e Autoestima

Basta folhear uma revista, assistir um filme, uma publicidade na televisão entre outras mídias. Parece que tudo é produzido para que passamos a nos sentir um extraterrestre.

Mas será que tudo isso é realidade?

Por muitos anos, entrei de cabeça em diversas dietas para perder peso. Um regime mais “louco” que o outro. E no máximo o que consegui, foi algumas semanas de mau humor, enxaqueca e uma gastrite terrível.

Não sou contra nenhum tipo de regime para emagrecer, mas nem todos são eficientes. Ou melhor, é preciso fazer uma dieta de acordo com as suas necessidades.

Qual a minha necessidade?

Bom, comparando meu corpo com das atrizes e modelos, comecei a acreditar que, para ser feliz, precisava me “adequar”. Queria ser como elas, ter aquele corpo, usar aquele tipo de roupa e claro, me sentir bela e confiante.

Não preciso dizer que, quanto mais me comparava as atrizes e modelos, mais me sentia deprimida, triste e frustrada por não conseguir aquele corpo.

Aceitar a realidade é o melhor remédio que leva a felicidade

Essa frase pode até parecer àquelas frases prontas de livros de autoajuda. Mas não se tratava exatamente em aceitar a minha realidade ou melhor, o que achava do meu corpo.

E sim, compreender que os corpos esbeltos das modelos não são reais, não são dádivas dos deuses. Em muitos casos, aqueles corpos considerados perfeitos, eram por meios de cirurgias e sacrifícios. Para mim, já não vale a pena, não estou disposta a me mutilar em busca de algo que não existe.

Preciso urgentemente fazer as pazes com meu espelho e depois com a balança, mas um passo de cada vez. Sei que sozinha, não vou conseguir sair desse labirinto, no qual entrei muito fácil, mas agora não sei nem para onde seguir.

Fazendo as pazes com minha autoestima

Então procurei ajuda de profissionais especializados, minha autoestima estava muito baixa, me sentia deprimida e triste, e até com vergonha do meu corpo, sem perceber comecei a usar roupas que mais me escondia do mundo, que valorizasse minha beleza.

Comecei a consultar com um psicólogo, é claro que tinha receios e vergonha, pois achava que psicólogo era coisa de pessoas “loucas”, bem que, fazer dieta da lua, passar fome entre tantas outras dietas que fiz ao longo da minha vida, também foram coisas de doidos.

Passar por um psicólogo foi a melhor escolha que poderia fazer para a minha vida naquele momento, pude confrontar meus fantasmas, me fortalecer e aceitar a minha beleza, aceitar que cada pessoa tem um biótipo diferente uma, das outras, e isso não tem nada de feio, é nossas diferenças que nos faz bonita, e seguir padrão de beleza, só nos leva para a tristeza, decepção e baixa autoestima.

Depois do psicólogo e com minha autoestima fortalecida, passei em consulta com um médico e uma nutricionista, fiz bateria de exames, mudei minha alimentação, um passo importante para ter uma vida saudável e com mais qualidade e por fim, fiz as pazes com a balança, afinal nessa historia toda, ela era a única que não tinha culpa nenhuma.